Bilionário mineiro era mais ativo que um coelho

Minha colega e amiga Fátima chegou aqui com uma revista na mão, mostrando uma matéria sobre o médico e empresário mineiro Pereira Filho que deixou herança bilionária para uma penca de filhos, mulher e amantes. Bom fuçador dei googlada para ver a cara desse Cabra Véi:

bilionariocheiodefilho

A história da partilha da herança de um bilionário que teve filhos com mais de 26 mulheres, além da esposa oficial, está prestes a ganhar contornos ainda mais folhetinescos. Em 1996, o espólio do médico mineiro Antônio Luciano Pereira Filho, no valor estimado de US$ 3 bilhões, foi dividido por seus três filhos legítimos e mais 28 extra-oficiais.

No mês passado, o juiz da Primeira Vara de Sucessões de Belo Horizonte, Júlio César Lorens, determinou que a herança fosse devolvida, para que mais 20 pessoas em processo de comprovação de filiação pudessem ser incluídas. “Todo descendente deve receber o mesmo que os outros. Enquanto o processo estiver em andamento, quem se apresentar e estiver munido de documentos e provas deve ser contemplado”, afirma Lorens.

Antes de morrer, em 1990, Pereira Filho sabia que eram enormes as chances de surgirem novos herdeiros. O advogado Luis Cláudio da Silva Chaves, que acompanhou o início do caso, lembra que o bilionário deixou material biológico para testes de paternidade. No inventário, com 98 volumes e 50 mil páginas, já estavam habilitados 31 filhos, de pelo menos 26 mães diferentes. O médico era também usineiro, criador de cavalos, dono de dezenas de fazendas e de praticamente todos os cinemas de Belo Horizonte.

Sua história chamou a atenção da população mineira, menos pelos valores envolvidos e mais pelo impressionante currículo amoroso. A ponto de ele se tornar personagem da minissérie global Hilda Furacão (1999), que se passava em Minas Gerais. Um dos homens mais ricos do Estado, ele tinha especial predileção por jovens virgens. Mantinha, inclusive, um diário que contabilizava mais de duas mil mulheres – muitas delas geraram filhos, que hoje reivindicam seus direitos.

Hoje, os três herdeiros do casamento oficial de Pereira Filho com Clara Catta Preta Pereira, têm seus negócios administrados por procuradores. “O comportamento deles durante a distribuição da herança foi exemplar”, defende Paulo Eduardo Almeida de Mello, advogado dos “oficiais”. Para Mello, eles “abriram mão de muitas coisas” para contemplar seus meio-irmãos.

Como as decisões tomadas desde a morte de Pereira Filho foram anuladas, ninguém arrisca um prazo para a solução do imbróglio. Há nove recursos contra a ordem do juiz, tornada pública no dia 31 de outubro. Estima-se que os três filhos de Clara tenham recebido US$ 500 milhões, enquanto os outros 28, US$ 20 milhões. No acordo dos anos 90, estavam previstas também oito cotas no mesmo montante para eventuais pessoas que as reclamassem. “O valor é bem inferior a esse. Tem futuro herdeiro que quer aumentar os ganhos inflando a herança”, afirma Mello. Independentemente do total, todos os filhos de Pereira devem receber partes iguais. “E, se com o tempo surgirem mais descendentes, a divisão original perde validade e o bolo terá de ser dividido novamente”, afirma Bernardo Garcia, advogado especializado em direito de família. Pelo menos 100 exames já foram feitos com o material genético deixado por Pereira Filho.

Fonte: Dois em Cena

4 comentários

  • Cada filho vai acabar tendo dinheiro a cem reais, um vale-transporte e um vale-refeição…

  • Ele era um pedófilo, que abusava de meninas virgem é comprava suas famílias ameaçando despedirem dos serviços se não deixasse as suas filhas dormir com ele ; Acabando com ávida das moças que depois era despachada como um brinquedo venho?

  • Ele era um pedófilo, que abusava de meninas virgem é comprava suas famílias ameaçando despedirem dos serviços se não deixasse as suas filhas dormir com ele ; Acabando com ávida das moças que depois era despachada como um brinquedo venho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *