Che GUEVARA

A reportagem de capa da Veja dessa semana fala do homem que virou mito Che Guevara. Na verdade ela tenta desmitificá-lo. Aqui algumas partes da matéria:

Há quarenta anos morria o homem e nascia a farsa

“Não disparem. Sou Che. Valho mais vivo do que morto.” Há quarenta anos, no dia 8 de outubro de 1967, essa frase foi gritada por um guerrilheiro maltrapilho e sujo metido em uma grota nos confins da Bolívia. Nunca mais foi lembrada. Seu esquecimento deve-se ao fato de que o pedido de misericórdia, o apelo desesperado pela própria vida e o reconhecimento sem disfarce da derrota não combinam com a aura mitológica criada em torno de tudo o que se refere à vida e à morte de Ernesto Guevara Lynch de la Serna, argentino de Rosário, o Che, que antes, para os companheiros, era apenas “el chancho”, o porco, porque não gostava de banho e “tinha cheiro de rim fervido”.

Diogo Schelp e Duda Teixeira

imagem Che
Che em Caballete de Casas, em Cuba, em 1958.

Essa é a realidade esquecida. No mito, sempre lembrado, ecoam as palavras ditas ao tenente boliviano Mário Terán, encarregado de sua execução, e que parecia hesitar em apertar o gatilho: “Você vai matar um homem”. Essas, sim, servem de corolário perfeito a um guerreiro disposto ao sacrifício em nome de ideais que valem mais que a própria vida. Ambas as frases foram relatadas por várias testemunhas e meticulosamente anotadas pelo capitão Gary Prado Salmón, do Exército boliviano, responsável pela captura de Che. Provenientes das mesmas fontes, merecem, portanto, idêntica credibilidade. O esquecimento de uma frase e a perpetuação da outra resumem o sucesso da máquina de propaganda marxista na elaboração de seu maior e até então intocado mito. Che tem um apelo que beira a lenda entre os jovens dos cinco continentes. Como homem de carne e osso, com suas fraquezas, sua maníaca necessidade de matar pessoas, sua crença inabalável na violência política e a busca incessante da morte gloriosa, foi um ser desprezível. “Ele era adepto do totalitarismo até o último pêlo do corpo”, escreveu sobre ele o jornalista francês Régis Debray, que por alguns meses conviveu com Che na Bolívia.

VEJA conversou com historiadores, biógrafos, antigos companheiros de Che na guerrilha e no governo cubano na tentativa de entender como o rosto de um apologista da violência, voluntarioso e autoritário, foi parar no biquíni de Gisele Bündchen, no braço de Maradona, na barriga de Mike Tyson, em pôsteres e camisetas. Seu retrato clássico – feito pelo fotógrafo cubano Alberto Korda em 1960 – é a fotografia mais reproduzida de todos os tempos. O mito é particularmente enganoso por se sustentar no avesso do que o homem foi, pensou e realizou durante sua existência. Incapaz de compreender a vida em uma sociedade aberta e sempre disposto a eliminar a tiros os adversários – mesmo os que vestiam a mesma farda que ele –, Che é, paradoxalmente, visto como um símbolo da luta pela liberdade. Guevara é responsável direto pela morte de 49 jovens inexperientes recrutas que faziam o serviço militar obrigatório na Bolívia. Eles foram mobilizados para defender a soberania de sua pátria e expulsar os invasores cubanos, sob cujo fogo pereceram. Tendo ajudado a estabelecer um sistema de penúria em Cuba, Che agora é apresentado como um símbolo de justiça social. Politicamente dogmático, aferrado com unhas e dentes à rigidez do marxismo-leninismo em sua vertente mais totalitária, passa por livre-pensador.

Como o jovem aventureiro que excursionou de motocicleta pelas Américas se tornou um assassino cruel e maníaco? O jornalista americano Jon Lee Anderson, autor da mais completa biografia de Che, escreveu que ele era um fatalista – e esse fatalismo aguçou-se depois que se juntou aos guerrilheiros cubanos. “Para ele, a realidade era apenas uma questão de preto e branco. Despertava toda manhã com a perspectiva de matar ou morrer pela causa”, afirma Anderson.

Ernesto Guevara Lynch de la Serna nasceu em 14 de maio de 1928, em uma família de esquerdistas ricos na Argentina. Sofreu de asma a vida inteira. Antes de se formar em medicina, profissão que nunca exerceu de fato, viajou pela América do Sul durante oito meses. Depois de terminada a faculdade, saiu da Argentina para nunca mais voltar. Encontrou-se com Fidel Castro no México, em 1955, onde aprendeu técnicas de guerrilha. No ano seguinte, participou do desembarque em Cuba do pequeno contingente de revolucionários. Depois de dois anos de combates na Sierra Maestra, Fidel tomou o poder em Havana. Che ocupou-se primeiro dos fuzilamentos e, depois, da economia, assunto do qual nada entendia. José Illan, que foi vice-ministro de Finanças antes de fugir de Cuba, contou a VEJA que o argentino “desprezava os técnicos e tratava a nós, os jovens cubanos, com prepotência”. No comando do Banco Central e depois do Ministério da Indústria, Che começou a nacionalizar a indústria e foi o principal defensor do controle estatal das fábricas. “Che era um utópico que acreditava que as coisas podiam ser feitas usando-se apenas a força de vontade”, diz o historiador Pedro Corzo, do Instituto da Memória Histórica Cubana, em Miami. Como resultado de sua “força de vontade”, a produção agrícola caiu pela metade e a indústria açucareira, o principal produto de exportação de Cuba, entrou em colapso. Em 1963, em estado de penúria, a ilha passou a viver da mesada enviada pela então União Soviética.

Se houve um ganhador da Guerra Fria, foi Che Guevara. Ele morreu e foi santificado antes que seu narcisismo suicida e os crimes que decorreram dele pudessem ser julgados com distanciamento, sob uma luz mais civilizada, que faria aflorar sua brutalidade com nitidez. Pobre Fidel Castro. Enquanto Che foi cristalizado na foto hipnótica de Alberto Korda, ele próprio, o supremo comandante, aparece cada dia mais roto, macilento, caduco, enquanto se desmancha lentamente dentro de um ridículo agasalho esportivo diante das lentes das câmeras da televisão estatal cubana. O método de luta política que Guevara adotou já era errado em seu tempo. No rastro de suas concepções de revolução pela revolução, a América Latina foi lançada em um banho de sangue e uma onda de destruição ainda não inteiramente avaliada e, pior, não totalmente assentada. O mito em torno de Che constitui-se numa muralha que impediu até agora a correta observação de alguns dos mais desastrosos eventos da história contemporânea das Américas. Está passando da hora de essa muralha cair.

Imagem do Guerrilheiro
“Estou na selva cubana, vivo e sedento de sangue.”
Carta à esposa, Hilda Gadea, em janeiro de 1957

“A ordem de execução veio pelo rádio”

Imagem Che capturadoimagem do agente da CIA Felix Rodríguez
Maltrapilho e sujo, Guevara posa com os soldados que o capturaram na vila de La Higuera, onde seria morto. A seu lado, assinalado, está o agente da CIA Felix Rodríguez. À direita, Felix hoje, em Miami.

Felix Rodríguez foi uma das últimas pessoas a conversar com Che Guevara. Mais do que isso, foi ele quem recebeu e transmitiu a ordem para que o guerrilheiro fosse executado. Cubano exilado nos Estados Unidos, ele era o operador de rádio enviado à Bolívia pela CIA para auxiliar na caçada e, também, para ajudar a identificar Guevara. Veterano da fracassada invasão da Baía dos Porcos, em 1961, Rodríguez vive hoje em Miami, aos 66 anos. Ele falou ao repórter Duda Teixeira.

COMO CHEGOU A ORDEM PARA MATAR CHE?
As instruções que recebi nos Estados Unidos eram para poupar sua vida. A CIA sabia da divergência de idéias entre Che e Fidel e acreditava que, a longo prazo, ele poderia cooperar com a agência. A ordem para sua execução veio por rádio, de uma alta autoridade boliviana. Era uma mensagem em código: “500, 600”. O primeiro número, 500, significava Guevara. O segundo, que ele deveria ser morto. Tentei em vão convencer os militares bolivianos a permitir que ele fosse levado para ser interrogado no Panamá. Eles negaram meu pedido e me deram um prazo. Eu deveria entregar o corpo de Guevara até as 2 horas da tarde. Perto das 11h30, uma senhora aproximou-se de mim e perguntou quando iríamos matá-lo, pois ouvira no rádio que Che havia morrido em combate. Naquele momento compreendi que a decisão de executá-lo era irrevogável.

COMO FOI SUA ÚLTIMA CONVERSA COM ELE?
Fui até o local de seu cativeiro e disse a ele que lamentava, mas eram ordens superiores. Che ficou branco como um papel. “É melhor assim. Eu nunca deveria ter sido capturado vivo”, falou. Tirou o cachimbo da boca e me pediu para que o desse a um dos soldados. Ofereci-me para transmitir mensagens à sua família. “Diga a Fidel que esse fracasso não significa o fim da revolução, que logo ela triunfará em alguma parte da América Latina”, ele falou em tom sarcástico. Aí lembrou da esposa. “Diga a minha senhora que se case outra vez e trate de ser feliz.” Foram suas últimas palavras. Apertou a minha mão e me deu um abraço, como se pensasse que eu seria o carrasco. Saí dali e avisei a um tenente armado com uma carabina M2, automática, que a ordem já tinha sido dada. Recomendei a ele que atirasse da barba para baixo, porque se supunha que Che havia morrido em combate. Eram 13h10 quando escutei o barulho de tiros. Che Guevara tinha sido morto.

COMO FOI O SEU PRIMEIRO CONTATO COM CHE GUEVARA?
Cheguei a La Higuera de helicóptero em 9 de outubro, um dia depois da captura de Che Guevara. Eu o encontrei com os pés e as mãos amarrados, ao lado dos corpos de dois cubanos. Sangrava de uma ferida na perna. Era um homem totalmente arrasado. Parecia um mendigo.

COMO FORAM SUAS CONVERSAS COM CHE?
Nós nos tratamos com respeito. Eu o chamava de comandante. Falamos de Cuba e de outras coisas, mas ele permanecia calado quando as perguntas eram de interesse estratégico. Houve momentos em que não consegui prestar atenção ao que ele dizia. Ao olhar aquele homem derrotado, vinha-me à mente sua imagem no passado, sempre altiva e arrogante.

COMO FORAM AS RELAÇÕES DE CHE COM A POPULAÇÃO NA BOLÍVIA?
Para sobreviver, é essencial que uma força guerrilheira conte com o apoio da população local. A aventura de Che na Bolívia foi um caso único em que uma guerrilha não conseguiu recrutar um único morador da área onde atuou. Só um agricultor ganhou a confiança dos guerrilheiros, e mesmo esse acabou por passar informações que permitiram ao Exército armar uma emboscada. Os poucos bolivianos que participaram da guerrilha eram dissidentes do Partido Comunista. Nenhum camponês.

POR QUE O SENHOR FOI ENVIADO À BOLÍVIA?
O Exército boliviano estava totalmente despreparado para enfrentar uma guerrilha. A maior parte dos soldados trabalhava na construção de estradas e provavelmente jamais dera um tiro de fuzil. Nos primeiros embates, os guerrilheiros aprisionavam os soldados, tiravam suas roupas e os soltavam. Foi então que o governo boliviano pediu ajuda aos Estados Unidos.

Bem, se você quer ler a matéria completa, vai aqui na Veja.
Se você quer discutir as matéria da Veja, tem a comunidade Leu na Veja? Azar o seu! no Orkut que é uma boa pedida.

Queria ver a Veja desmitificar o “REI” Pelé. Argh! Cof-cof!

33 comentários

  • Veja tentou acertar CHE e deu um tiro no própio pé

  • Che não era nenhum santo e nem tudo que é vermelho é bom. É lamentável, mas o responsável por este site sabe pouco ou nada sobre a verdadeira face de Che Guevara.

    Che Guevara , a verdeira face do assassino.

    Ernesto Guevara de la Serna, filho de Ernesto Guevara Lynch e Célia de la Serna, nasceu em Rosário, Argentina, a 14 de junho de 1928 e felizmente foi morto no dia 8 de outubro de 1967 com 39 anos voltados a barbárie, ao assassinato e ao terrorismo. Infelizmente muitos jovens desinformados acreditam que Che Guevara foi um heroi.

    Conheçamos Che Guevara, um homem retratado à feição de um Jesus Cristo mas que poucos conhecem sua verdadeira face. Examinemos seus mestres, seus ídolos e os países que admirava:

    Lênin, o fundador do Estado Soviético, um dos ídolos de Che Guevara, disse em 1891: “A fome tem várias conseqüências positivas (…) a fome nos aproxima de nosso alvo final, o socialismo, etapa imediatamente posterior ao capitalismo. A fome destrói assim a fé não somente no Czar, mas também em Deus”.

    Depois, em 1921, por ocasião de uma grande fome, quando já era o líder máximo, Lênin reafirmou que “a fome deveria servir para ferir mortalmente o inimigo (Igreja Ortodoxa)”. E foi mais além, proibiu ajuda aos famintos. Quem os ajudasse, poderia ser até preso. Pereceram nessa fome 6 milhões de pessoas.

    Che Guevara estudou Lênin, admirou-o, e provavelmente leu também o seguinte discurso leninista: “É preciso lutar contra a religião”, “o marxismo é incondicionalmente ateu, decididamente hostil a qualquer religião”.

    Stalin, uma das figuras mais perversas deste século. Responsável diretamente por milhões de mortos, pelos processos de Moscou, pela fome deliberada na Ucrânia, pelo Gulag. Seus crimes foram denunciados por Krushev a partir de 1956.

    Foi essa figura a quem Che Guevara jurou: “diante de um retrato velho e prateado do camarada Stalin, jurei não descansar até ver esses polvos capitalistas aniquilados”. Por ocasião de sua visita a Moscou, Che ficou bravo com o embaixador cubano porque este se opôs a depositar flores no mausoléu de Stalin.

    A Mao Tse Tung, Che tinha grande admiração, e o conheceu pessoalmente numa viagem a China. Qual era o motivo da admiração? Talvez porque Mao tenha ordenado a invasão do Tibet nos anos 50, na qual 1 milhão de pessoas morreram (1 em cada 8 habitantes), e na qual monges foram enterrados vivos. Talvez por ter instalado na China uma das mais perversas ditaduras de que a história teve notícia …

    Che também admirava desde jovem os comunistas da Guerra Civil Espanhola. Esses comunistas ficaram famosos por torturar, esquartejar e matar padres durante a guerra. Um dos comunistas que participou da guerra civil, Angel Ciutah, ajudou Che a criar o serviço de segurança do Estado, para proteger o estado revolucionário cubano.

    O serviço de segurança ficou famoso depois da morte de Che porque era um exemplo de eficiência na arte da tortura, das provas forjadas e dos assassinatos. Huber Matos, que lutou ao lado de Che e Fidel, foi a primeira das vítimas. Apenas porque discordou do “comandante”, foi executado.

    Che dizia que a solução para os problemas do mundo estava atrás da Cortina de Ferro. O que havia lá de tão excelente? Além do Gulag, da perseguição religiosa, dos massacres, da fome premeditada, das polícias políticas? E havia o Muro de Berlim na Alemanha Oriental… Quem quisesse escapar da miséria pulando o muro era fuzilado.

    Em 1956 na Polônia a multidão, num protesto contra o governo totalitário, gritava “pão e liberdade”. Foi reprimida a bala, o que ocasionou dezenas de mortos.

    Em 1956, na Hungria, houve a revolução anti-totalitária, na qual a população resistiu com armas na mão contra a invasão soviética. Pereceram 3.000 pessoas; 200.000 fugiram.

    Talvez a solução dos problemas do mundo estivesse com o camarada Enver Hoxa, que proscreveu a religião na Albânia, ou então com os expurgos internos de Tito na Iugoslávia, ou ainda com o governo corrupto de Ceaucescu na Romênia.

    Por que Che escreveu: “Dos países que visitamos, a Coréia do Norte é um dos mais extraordinários” ? Talvez ele tenha gostado da Guerra da Coréia provocada pelo governo do norte, na qual 500.000 pessoas morreram; talvez tenha admirado o grande expurgo interno promovido por Kim Il Sung ocorrido algum tempo antes de sua visita, no qual o líder coreano perseguiu e matou milhares de opositores do regime.

    Por que Che disse: “na China não se vê nenhum dos sintomas de miséria que se vêem em outros países” ? Deve ter-se referido ao “grande salto para frente” de Mao, projeto econômico na China, envolvendo entre outras coisas a coletivização forçada. O resultado do projeto foi a maior fome de toda a história. Mao chegou a exportar comida e impediu a aceitação de ajuda externa. Pereceram mais de dez milhões de chineses.

    Che disse: “Cuba devia seguir o exemplo de desenvolvimento pacífico mostrado pela URSS”. O que era “desenvolvimento pacífico” para ele? O racionamento de comida feito por Lênin? O Gulag? Os expurgos de Stalin? A política anti-religiosa de Krushev? A burocracia corrupta de Brejnev? Os inúmeros massacres e perseguições que o Partido Comunista impôs aos soviéticos?

    Realmente, Cuba, a ilha-prisão, seguiu bastante o exemplo da URSS: corrupção, expurgos internos, assassinatos, repressão, campos de trabalho forçado (que Che ajudou a construir) etc. Mas o que mais caracterizou a revolução cubana foi o “Paredón”, em que Che teve participação ativa, principalmente em La Cabaña. Quantos ele matou lá? 300, 400?

    Junto aos seus ídolos Lênin, Stalin, Mao e companhia, Che contribuiu para a construção do regime que mais matou pessoas em toda a história, o chamado “socialismo real”, responsável por mais de 100 milhões de mortos. Nada perde ele, portanto, diante do nefasto nazismo.

    Mas talvez nem esses 100 milhões de vítimas ainda não bastem para derrubar esse mito que transformou um criminoso arrogante e intolerante com sua ideologia mentirosa em um santo aos olhos daqueles com preguiça de aprender História.

  • Flávia, tudo depende do ponto de vista…
    Mas adorei sua explanação histórica sobre o “mito”.

    Aquele abraço.

  • Pingback: Mário Aragão - Desopilando » Blog Archive » Che GUEVARA 2

  • ´só faltou a VEJA dizer que o Che comia criancinhas! ô povo atôa!!!!!

  • como de praxe a veja publica e ditorce da forma que bem entende as informações mediante seus interesses.ingênuo ainda diria, publicar a reportagem à uma semana de completar os 40 anos, uma forma pífia e risível e tentar denegrir a imagem de che, sem falar em erros históricos. com a repercussão da reportagem a revista deve ter lucrado bastante, ja que esse é o único e real intresse,tendo-se em vista que os leitores de veja são a nata da burguesia pseudo intelectual brasileira; para esses a reportagem caiu como um prato cheio, mais uma forma de criar repulsa à algo que eles nem sequer tem conhecimento. Ao menos algumas dessas revistas foram queimadas em frente a sede da ” abril”. de fato, deram um tiro no próprio pé

  • Acho que a galera tem que rever o conceito de “HEROI”.

  • Esperar que um homem que escolher pela revolução armada fosse um santo não é ingênuidade e sim a mais pura burrice. Engraçado, como um homem pede misericórdia num dia e depois morre como um herói?! não acredito que tenham sido apenas frases contraditórias. ELe não era burro e sabia que valia mais vivo mesmo, afinal ele tinha informações que outros não tinham, como de se esperar ele não revelou nada.

    Quanto a morte dos 49: QUando você coloca uma farda e se diz disposto a morrer pelo país, não tem por que alguém reclamar a sua morte depois.

    A diferença entre os mitos e Che, é que che foi homem, chorou, errou e salvou, como todo homem faz. Só fez com mais intensidade.
    Farsante é a revista veja que nem sequer apura todos os fatos. Já vi revistas do Arqivo X traterem da realidade melhor que a revista Veja.

  • Mas os grandes homens, descobridores de verdades luminosas, vivem, apesar de suas pequenas faltas, e estas servem apenas para demonstrar-nos que são humanos.

    Essa frase também é do Che.

  • Chê Guevara matou sim! Mas nunca guerra se mata ou se morre.
    E justamente o imperialismo que criou o mito, ao assassinar de forma covarde o maior guerrilheiro de todos os tempos.

  • Correção: Eu digitei errado! rs… Queria dizer que numa guerra se mata pessoas ou entãom, as pessoas te matam! E Chê matou opressores, inimigos do povo. Viva Chê!

  • A revista VEJa, está desacreditada e falida. Porisso ´publicou a reportagem capitalista sobre CHE, pois abia que iria se beneficiar lucrando com as inverdades absurdas sobre o mito. Saibam VEJA, que CHE lutou pelos menores e pela injustiça social que a VEJA capitalista massacra a identidade das pessoas, cortinadas pelo interesse monetário. Saibam, que o capitalismo é a maior causa da criminalidade e violência e que iniquila as famílias e que a VEJa está sempre ao lado imperilista burguês podre e fedento.CHE lutava pela minoria, pelos fracos e pela minoria. A VEJA, literalmente, não viu nada e vai continuar sem vê , porque suas histórias são só suas e não refletem a verdade dos fatos.AH, de onde vem a reportagem ? Ora, prá variar dos Estados Unidos e de uma pessoa que residem em Miami. Dá prá ter credibilidade ? Com certeza, NÂO ! CHE VIVE ! HASTA LA VITORIA SIEMPRE. CHE VIVE !VEJA NUNCA MAIS !

  • “É impossível derrotar um ignorante pela discussão”
    William G. Mc. Adoo

    “Para llegar al logro del triunfo siempre ha sido indispensable pasar por la senda de los sacrifícios”.
    Simón B.

    Que Che descançe em paz.

  • Ele matava? matava. A veja só esqueceu de um detalhe: ele estava em guerra.

  • naum era nascida na sua epoca mais pelo q sei
    che foi e será o representante da liberdade!!
    vcs queram ou naum………

  • che sempre sera lembrado como lider de loberdade!!!

  • Rogo a Deus q nos envie mais homens como CHE e menos como os q escrevem essas reportagens vendidas e alienantes. Querem desfazer o mito com o intuito de impedir a proliferação de homens pensantes. Qto mais mal se pensar de revolucionários menos adeptos da luta pela justiça existirão!!!
    HASTA SIEMPRE MI COMANDANTE QUERIDO! VIVA EL CHE PARA SIEMPRE!!!

  • Nunca, vi a gloriosa revista Veja desmistificar aquelas figuras adoráveis tais como : Médici, Pinochet, Videla, Strosener,Fujimore, Batista etc..

    Já que vivemos uma desconstrução de certas figuras históricas, fica a sugestão de dizer que estes novos homens eram bons e puros de alma !

    Talvez os componentes da Resistencia Francesa, também fossem homens cruéis e sanguinários !

    Uma revolução não se faz com flores e sim com o sangue dos torturadores e ladrões do povo !

  • Viva el Che! Ese no murió rico como tantos traidores. Fuera la prensa vendida, corporativista y autosensurada. Verguenza deberia les dar.

  • Senhores, sabemos do interesse do EUA,naquele periodo, o governo de Batista havia sido deposto por um grupo de guerrilheiros. Todo o tipo de privilegios que a nação americana usulpava de Cuba havia se extinto um odio tremendo nasceu dessa revolução cuba, o enbargo economico imposto a ilha é prova disso. Era de total emergencia que se recuperasse o prestigo americano, a crise dos misseis, gerou um agrande colapso, havia a necessidade de se exterminar qualquer foco de resistencia ou que impedisse as pretensoes imperilaistas do Tio San. Não e de se espantar que o poderoso imperio mandou um grupo de homens treinados(CIA) para auxiliar o exercito boliviano, como todos nos sabemos a nação americana e cheia de conspiração o caso Kennedey por exemplo. Este senhor ex-agente da CIA e muito suspeito ao declarar que che havia dito tais palavras, nao ha um mecanismo que prove que ele disse tal coisa, essas testemunhas chaves sabe la Deus o que receberam para declarar tais coisas. Quero aqui dizer que tudo esta posto em duvida pois quem conduzia as operações eram os EUA, a tentativa de se esquivar do assasinato de che, culpando o governo Boliviano e uma barbada.Digo mais aos que lerem sobre O revolucionario leiam tudo e tirem suas proprias conclusoes nao deixam se influenciar por noticias que sao vinculadas por terceiros interesses. Obrigado!

  • Francisco Figliagi

    Nunca li tanta besteira! O Chê Guevara é sim um mito criado por pessoas covardes, deslumbradas, preguiçosas e ignorantes. Nada, absolutamente nada, justifica o assassinato de pessoas contrárias à um regime ou sistema de governo, principalmente pessoas desarmadas em suas casas. Isso foi uma covardia e intolerância inaceitáveis! Se os idiotas que são favoráveis ao que Che fazia fossem homens de verdade, deveriam então serem executados, inclusive seus filhos, suas irmãs, suas mulheres e toda a ralé de suas famílias, da mesma forma que eram executados dissidentes na época das guerrilhas do radical, autoritário, intransigente, fanático e escroto Che Guevara! Porque se eles justificam o que Ernesto fez como sendo em nome de uma causa, o socialismo e o comunismo, significa que os capitalistas podem fazer o mesmo com os dissidentes, pra estes idiotas sentirem na pele o que fazia Che, inclusive porque o sistema que predomina é o capitalismo, ou eu to engandado. Hein! Como li acima num dos únicos comentários coerentes, e feito por pessoa que nitidamente leu muito a respeito, os ídolos do Che mostram claramente sua personalidade. Um cara cruél, covarde, ditador, sanguinário e prepotente. Esses dementes que o defendem, deveriam passar uma semana em hospitais de guerra, pra verem os horrores que acontecem com crianças, homens e mulheres, que nada teem a ver com essas lutas por ideais utópicos ultrapassados. Eu sinceramente espero que essas “pessoas” com p minúsculo, tenham suas casas invadidas por soldados, suas mulheres estupradas por eles e seus corpos mutilados sem chance nenhuma de defesa. Talvez assim, eles passem a entender o quê estão defendendo como sendo coerente, correto, romântico e até mesmo necessário. O Che foi um ordinário escroto como os ídolos que ele tinha, e nem sequer morreu em combate, foi capturado na Bolívia, provando pro mundo inteiro e pra história, que não passava de um combatentezinho de merda, não sabia nada de estratégia, não tinha honra, cometeu crimes de guerra, era chamado de porco porque não tinha higiene, fedia muito, era feio, fraco, vagabundo porque se formou em medicina e nunca exerceu a profissão e nunca conseguiu formar um exército de verdade! Seus poucos seguidores passavam fome, eram forçados a lutar e o odiavam. Eu acho um absurdo toda mitificação em torno de pessoas desprezíveis, que não fizeram nada pra mudar o mundo, apenas mataram gente, e se acham a última bolacha do pacote. Defendam o Ghandi, o Buda, o Jesus Cristo, o Henry Ford, o Thomas Edison, o Santos Dumont, o Leonardo da Vinci, os egípcios que inventaram a anestesia, o analgésico, a cirurgia de cérebro, o Guttemberg, o Beethoven, o Vivaldi, o Mozart, o Michelangelo, o Salvador Dali, o Dr Zerbini que fez o primeiro transplante de coração da América Latrina, e não defender um vagabundo que nunca fez sequer um curativo em seus amigos, ao contrário, os deixava sofrer por achar que isso trazia amadurecimento…é brincadeira…Eu tenho pena de quem idolatra o Che Guevara, porque tá muitíssimo carente de ídolos viu…precisa ler um pouco mais…precisa fazer algo de útil na vida, porque devem ser vagabundos como o ídolo mitificado as avessas, e que só fazem eu ter mais certeza ainda, da idiotização da humanidade pelos veículos de comunicação, que são dirigidos por gente gananciosa que só quer lucrar às custas de matérias tendenciosas e polêmicas, mas raramente trazem a verdade à tona, e quando o fazem, são taxadas de capitalistas. O capitalismo também não é bom, mas ainda é o melhor que inventaram, e enquanto não houver outra forma de governo melhor do que esta, vou defendê-la destes desocupados miseráveis, que não teem inteligência pra ganhar dinheiro, tampouco pra ajudar pessoas como eles, que insistem em remar contra a maré, provando serem incapazes de idealizar algo novo, e só sabem reclamar da vida, achando que a solução é sair por aí atirando nas pessoas…

  • corja de porcos de direita que apenas vêem o próprio umbigo.

    terão de nascer novamente 6 vezes quaisquer que sejam seus herois, para que cheguem à altura da sola do pé deste assassino.

  • João da Nóbrega

    O problema é que a Imprensa das décadas de 60 até agora o final dos anos 90 estava cooptada pela máquina de propraganda do marxismo-leninismo. Do ano 2mil para cá se deu conta de que havia prestado um grande desserviço ao Brasil e a toda América Latina. E se deu conta porque viu que eles ao perder o Leste Europeu, bandearam-se para as bandas de cá. Ora, todos os cafajestes comunistas eram incensados pela mídia; endesaudos nas universidades; defendidos e aclamados na igreja marxista, assim sendo introduzidos nas mentes dos adolescentes, jovens e alhures que se tratava de heróis e não de covardes traidores de suas pátrias.

  • João da Nóbrega

    Se a Imprensa tivesse tido a coragem de traçar o verdadeiro perfil do Che Guevara nos anos 60 e 70, hoje ele não era o mito que é na cabeça dos menos esclarecidos.

  • João da Nóbrega

    Parabéns Francisco Fligliagi pela excelente explanação a respeito de detalhes sobre Che Guevara que milhrares de pessoas não atentam se quer tomar conhecimento. Sempre foi assim e continuará sendo – mitos sendo criados pela imprensa cavilosa a serviço de interesses, os mais nojentos. Pasmem! A TV GLOBO só se refere ao ditador da Ilha dos Porcos, chamando-o de presidente Fidel Castro!!! Isso deturpa a cabeça do pobre diabo que nunca leu ou nunca teve um pai que o explicasse a verdadeira história do ditador. Por acaso houve eleição limpa em Cuba de 1959 até os nossos dias para Castro ser tido como presidente? E pode anotar, agora mais do que nunca estamos vulneráveis aos acenos dos vermelhos. Não temos mais homens de invergadura moral para barrar as tentativas escabrosas dessa gente imunda que covardemente imbeciliza milhões de coitados para serem massa de manobra ao sabor de projetos disfarçados de humanitários. Ademais, o mundo hodierno trilha pelos interesses malsãos ditados por grupos poderosíssimos que atuam em todos os continentes. Com um único objetivo: mercado de capitais – eles mandam no mundo – os presidentes eleitos democraticamente são apenas cumpridores de tarefas administrativas previamente estabelecidas. Querem inclusive passar a hegemonia política e econômica dos Estados Unidos para a China. E o pior é que não vejo a humanidade se levantar contra tudo isso. Gente! Com todos os seus defeitos, milhões de vezes os Estados Unidos continuar sendo o líder. Quebram os EUA e ninguém diz nada, iniciam quebrar a Europa e ninguém diz nada esclarecedor para a humanidade tomar conhecimento do que realmente está acontecendo. Inclusive criaram a UNIÃO EUROPÉIA com o EURO como moeda já vislumbrando esse desfecho triste para o povo europeu. Quem garante que não virão para as bandas de cá? Só DEUS na sua imensidão de poder iluminará os povos para não serem pasto desses abutres que tencionam escravizar o Planeta.

  • Para algumas pessoas que postaram aqui como: FJFERR e outros, analisarem melhor a história, desde os ideais até às execuções, que foram “necessárias”. Che sem duvida nenhuma lutou pela igualdade social, talvez o regime político que tentou implantar, não levaria as nações a uma vida justa e confortável, conforme idealizava, mas, o discurso abaixo deixa claro sua vontade em tornar o mundo mais justo, e é simplesmente por isso que ele é adorado. Um homem de coragem que deixou seus filhos, sua família, para lutar por uma causa, que não era só para lhe favorecer, (sabendo que isto lhe custaria a vida).

    “A meus filhos. Queridos Hildita, Aleidita, Camilo, Celia e Ernesto. Se algum dia tiverem de ler estar carta, será porque não mais estarei entre vocês. Quase não se recordarão mais de mim, e os pequeninos nada lembrarão. O pai de vocês foi um homem que tentou agir de acordo com aquilo que pensa e, garanto-lhes, foi fiel a suas convicções. Cresçam como bons revolucionários. Estudem muito, para que possam dominar a técnica que permite dominar a natureza. Recordem-se de que é a revolução que é importante, e que cada um nós, por si só, nada vale. Sobretudo, sejam sempre capazes de sentir da maneira mais profunda qualquer injustiça cometida contra qualquer pessoa em qualquer parte do mundo. Essa é a mais bela qualidade de um revolucionário. Até sempre, meus filhinhos, espero voltar a vê-los um dia. Um grande beijo e um grande abraço do papai”.

  • Uma tremenda perversidade implantaram nos jovens! Proclamaram por décadas apologias favoráveis ao marxismo-leninismo. Educadores cafajestes fizeram o jogo seboso da máquina da propaganda comunista e incutiram na cabeça dos educandos, fazendo-os acreditar nesses mitos fabricados sob uma mentira imunda.
    Um conluio com centenas de milhares de entidades espalhadas pelo mundo e a serviço das ditaduras comunistas, que por sua vez custeavam tudo com o sangue dos povos humilhados sob as baionetas dos vermelhos. Hoje não é diferente, estão, inclusive,mais fortes, visto que infiltrados nos grandes conglomerados de capitais do Oriente ao Ocidente, bem assim em quase todos os organismos mundiais, nos governos de maior expressão, nas organizações não-governamentais, em todas as forças que comandam os negócios públicos e privados. É o famigerado’ grande irmão’ do livro 1984 de George Orweell.
    As forças de direita sempre tiveram vergonha de se impor, de mostrar verdades, de desmascarar cavilações engendradas nas agremiações políticas, religiosas, sindicalistas ou universitárias.

  • Prezado Alessandro:
    Penso que é por aí. OK! Sou mais Carlos Lacerda e General Newton Cruz!!!

  • Prezado Alessandro:
    Penso que é por aí. OK! Sou mais Carlos Lacerda e o General Newton Cruz!!!

  • Aragâo:

    Prezado Aragâo, fineza publicar no seu site que o Brasil está urgentemente necessitando de homens de conduta moral tal qual o General Newton Cruz, MÉDICI e tantos outros.

    Abeaço!

  • Prezado Mário Aragão:

    Amanhã dia 31 de março do ano 20l2, é aniversário da REDENTORA REVOLUÇÂO de l.964.

    Abraço!

  • amount that you can easily give someone a bribe uphold on the enough date on payday. These loans are serviceable suited for the working people in the opportunity of urgency without ascription checks. You are http://paydaytop2013.co.uk Conditions accede to a loan that is less than completely limpid in its terms regarding value, fees and meet dates. Without this advice, you may be at risk after being scammed.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *